Amazon Ecological Exhibition in Nanning and Liuzhou, Guangxi China

Meu nome é Flavio Bacellar. Sinto-me muito honrado É arranjado de BOA Center Limited e RevistaRECURSO, para participar do projeto de intercâmbio cultural entre China e Brasil, dois países imensos, riquíssimos em sua diversidade cultural e natural e que, tão diferentes, conhecem muito pouco um do outro. Sou fotógrafo e professor de fotografia nos cursos universitários de Jornalismo e Publicidade. Sou formado em Comunicações e Artes, Bacharel em Cinema. Trabalho na área de fotografia há 25 anos e já trabalhei em jornais, revistas, emissora de televisão, além de ser especialista em revelação e processamento de imagem digital. Espero poder falar e mostrar, através das minhas fotografias, um pouco do Brasil aos chineses, assim como, através do projeto da RevistaRECURSO, mostrar um pouco da China aos brasileiros.

Para falar sobre meu trabalho fotográfico na Amazônia, antes é preciso falar um pouco sobre o Brasil. Até o final do século XV o Brasil era habitado por índios nativos que, apesar de não terem desenvolvido uma civilização tecnológica, viveram muitos séculos em perfeito equilíbrio com a natureza. Eram diversos povos, com tradições e línguas diferentes, mas que se adaptavam muito bem às condições ambientais das diferentes regiões. O Brasil é um país de dimensões continentais, assim como a China, mas tem a maior parte de seu território na zonas tropical e equatorial, com clima quente o ano todo e muitas riquezas naturais. Com a chegada dos portugueses no ano de 1500, esse Brasil paradisíaco começou a mudar. Ao longo dos anos, milhões de quilometros quadrados de florestas foram sendo destruídos e milhões de índios morreram ou se misturaram com os europeus, sendo absorvidos pela civilização. Apesar de tamanha destruição, a maior floresta do mundo ainda permanece, sendo que a maior parte dela está em território brasileiro. A Amazônia é uma região imensa, com uma floresta densa e cortada por grandes rios, notadamente o Amazonas, maior rio do planeta em volume de água e centenas de afluentes, onde o deslocamento é difícil e feito basicamente pela água.Graças a isso, ela sobreviveu à destruição civilizatória, mas não se sabe por quanto tempo ainda, pois as ações de desmatamento seguem em velocidade impressionante e, se continuarem assim, a previsão é de que a maior floresta do mundo desapareça por completo dentro de algumas décadas.

A Amazônia ainda abriga diversos povos nativos, alguns deles ainda com pouco ou nenhum contato com a civilização. Mas, a maior parte deles já foi aculturada e miscigenada aos homens brancos, criando uma população local que, apesar de já desfrutar de grande parte das inovações tecnológicas, de falar o português, língua oficial do Brasil, ainda vive no meio ambiente de uma forma muito peculiar, semelhante talvez ao modo de vida de seus ancestrais índios. A maior parte dessa população vive às margens dos rios, que são seu meio de sobrevivência. O rio Amazonas, onde passei uma semana navegando e fiz as imagens que estão expostas aqui, sofre uma variação de nível que chega a mais de 5 metros conforme a época do ano, fazendo com que milhares de quilometros quadrados de terra sejam inundados e fiquem secos, periodicamente. Isso gera um modo de vida quase nômade à população que vive à beira do rio, que tem grande parte de suas casas construídas sobre palafitas,( estruturas de madeira que mantém as casa erguidas do chão), e passam vários meses do ano sobre a água e, em outras épocas, distantes da margem do rio. A população vive então de agricultura, pesca e extração de recursos naturais, todos feitos em função da variação da cheia dos rios. O transporte na região é feito quase que exclusivamente pela água e há embarcações de todos os tipos e tamanhos. A maior parte das pequenas cidades e aldeias não têm acesso por terra, apenas pelo rio. A maioria não é abastecida por rede de energia elétrica e tem geradores movidos a óleo diesel para abastecimento local .A rede telefônica é precária, não há repetidoras de telefonia móvel e a recepção de sinal de televisão e rádio é restrita. As escolas públicas, com pouquíssimos recursos, oferecem uma formação básica insuficiente, mal conseguindo ensinar as crianças a ler e escrever, gerando assim comunidades que são ao mesmo tempo civilizadas mas também isoladas do resto do mundo.

A viagem de barco que fiz foi entre a capital do estado do Amazonas, Manaus, e a cidade de Parintins, onde todos os anos acontece um festival folclórico chamado Bumba-Meu-Boi. Tive a oportunidade de passar dias navegando pelo rio Amazonas admirando a beleza impressionante da natureza no seu estado bruto, assim como dessas populações e seu belo convívio com o rio. Nas minhas fotos, mostro um pouco do que ví e muito pouco da imensidão e diversidade que existe na região, uma minúscula fração do que é a Amazônia, que, para se conhecer razoavelmente bem, demandaria anos de exploração. Não tive o intuito de fazer um documentário técnico da região, e sim apenas registrar imagens de um universo que me assombrou. A fotografia é uma maneira muito pessoal de registrar como vemos o mundo, não tendo eu, portanto, nenhuma pretensão de querer ilustrar o que seja a imensa Amazônia, mas acredito que, em muitos casos, uma imagem vale mais que mil palavras e espero que, ao ver essas fotografias, as pessoas consigam captar o sentimento que tive ao testemunhar essas cenas e que possam se encantar com a beleza dessa fantástica região do nosso planeta.

Quero novamente agradecer ao Governo da China e ao Governo de Guang Xi, juntamente com a BOA Center Limited e a RevistaRECURSO, a oportunidade de mostrar o meu trabalho e um pouco do meu país ao povo chinês, e espero que eu possa fazer imagens igualmente belas e significativas da China, para poder mostrar ao povo brasileiro.

 

我的名字叫佛拉威欧,在巴西新闻学院教授图片摄影新闻和广告。我很荣幸被BOA Center Limited和《资源杂志》安排参与巴西和中国的文化交流。这两个伟大国家的文化和自然生态很不同,相互了解也很少。
我有25年的图片摄影经历,除了教授课程和数字图像处理,我也为期刊、杂志和电视台工作。我期待通过展示我的照片让中国人了解巴西,并且让巴西了解中国,以及通过为《资源杂志》工作更多向巴西介绍中国。
在展示我的亚马逊图片以前,有必要介绍巴西。直到14世纪末巴西为印地安人居住,技术落后,文明程度很低,许多世纪处在保持生态的平衡与自然居住。他们是不同的人民,有着不同的传统和语言,他们能很好地适应当地的环境。

和中国一样,巴西地域广大,有大多数疆土在热带区域和赤道,全年处于炎热气候和拥有许多财富。随着葡萄牙人在1500年的到来,如天堂的巴西开始改变。多年来,成千上万公顷的森林遭毁坏。印地安人在消失,他们或混合了欧洲血统,或被文明化。尽管如此,世界的最大的森林仍然被保持,这片森林的大部分在巴西疆土。亚马逊是一个巨大区域,那里森林密集、河流纵横。亚马逊地区交通困难,主要靠水路。这里正在遭受文明的破坏,不知道还能保持多久,森林正在被快速砍伐,如此下去,这片世界最大的森林将在十年内完全地消失。

尽管亚马逊的一些原著居民仍然被庇护,他们与外界仍然很少或没有联络。但大多数已经混血成为新的当地人,虽然他们已经享用技术和文明,说巴西的官方语言(葡萄牙语),但仍然在一个非常奇怪形式的环境里居住,从家庭物品到生活方式依旧看得到他们的祖先印地安人。他们大多数人居住在河边,河伴随他们生存。我在亚马逊河度过了一个星期,并且拍摄了这里的图象。这里水位每年周期性的变化超过5米,水位低的季节数万公顷的土地是干燥的。这使得几乎游牧生活方式居住的人聚集在河边,他们创建了一种特殊的房子,这种木结构的房子能应付水位的变化。 这里的人不完全依靠农业生活,他们钓鱼和利用其它自然资源,一切围绕着河。这个区域的运输几乎完全靠水,有所有类型和大小的船。大多小城市和村庄见不到土地,全部是为河。多数没有电力供应,靠移动柴油发电器获得。电话网(有线)是不稳定的,不被移动电话网(无线)覆盖,电视和收音机的信号很弱。这里有公立学校和很少的教育机构,提供一种不足于基本的教育结构,少数能获得教育的孩子被文明化,并被与其他不能获得教育的孩子隔绝。

我在亚马逊州的首府马瑙斯乘坐小船,几天亚马逊河的航行,美丽的自然给我留下了深刻的印象,这里欢乐的人和美丽的河留给我美好的回忆。我的照片里纪录了一个肤浅的亚马逊,要更多知道,将需要几年时间的深入探险。我无意做描述这个区域的技术文档,仅仅用图像纪录了我所看到的。这些照片是一个非常个性化的纪录,不能说它就是亚马逊,但我相信,图象比千言万语更能让你知道亚马逊。当看见这些图片时,人们将知道我的感觉,令我迷惑的场面和意想不到秀丽。

再一次感谢BOA Center Limited和资源杂志让我有机会向中国人民介绍巴西,我期待有更多照片把中国介绍给巴西。

This project set up by Editora Recurso!

If you are interested in participating, or use images. We are happy to discuss.